Bahia perde 6 mil postos de trabalho com carteira assinada

A Bahia fechou 6.004 postos de trabalho em novembro, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho ontem. Em todo o Brasil foram 945.363 vagas de trabalho com carteira assinada fechadas em 2015, de janeiro a novembro. Uma variação de -2,29%.
Nos 12 meses até novembro, o país fechou 1.527.463 (3,66%) postos de trabalho. Apenas em novembro, o país perdeu 130.629 vagas. O total do estoque de 40,26 milhões de empregos, registrado em novembro de 2015, ocupa a terceira pior posição no ranking da série história (iniciada em 1992), sendo inferior somente aos resultados de novembro de 2014 (41,79 milhões) e novembro de 2013 (41,29 milhões).
O número de empregos cortados é o saldo, ou seja, o total de demissões menos o de contratações no período. O Ministério do Trabalho avalia que houve desaceleração no ritmo de queda de postos ocupados no mercado de trabalho brasileiro.
Em outubro, o número de empregos havia decrescido 0,42% (169.131 postos a menos), em relação a setembro. “Este comportamento pode ser justificado em razão, fundamentalmente, do desempenho do setor comércio (+ 52.592 postos), que apresentou o melhor resultado desde novembro de 2014  (+ 105.043 empregos).
Contribuiu também para este quadro de arrefecimento o setor de serviços, que, embora tenha apresentado uma redução de 23.312 postos, obteve um resultado melhor que o aferido em outubro último, quando a queda chegou a 46.246 postos”, informou, em nota.
No recorte geográfico, os dados do Caged demonstram que houve redução no nível de emprego em todas as regiões do Brasil. Porém, quatro delas também sinalizam uma desaceleração no ritmo de queda: Sudeste, Sul, Nordeste e Norte.
O comércio, setor aquecido no final do ano, é o único dos oito setores de atividade que teve aumento de vagas em novembro, com 52.592 postos a mais. Ainda assim, o nível ficou abaixo de novembro de 2014 (+ 105.043 novas vagas).
Clique aqui e participe do nosso grupo no WhatsApp.
Compartilhar